Direção: Kevin Lewis
Roteiro: G.O. Parsons
Produção: Nicolas Cage, Grant Cramer, Jeremy Davis, David Ozer, Mike Nilon, Bryan Lord
Elenco: Nicolas Cage, Emily Tosta, Beth Grant, Ric Reitz, Chris Warner, Kai Kadlec, Caylee Cowan, Jonathan Mercedes, Terayle Hill, Christian Delgrosso, David Sheftell
Duração: 88 minutos
Classificação: 16 – Não recomendado para menores de 16 anos
Gênero: Ação/Comédia/Terror

Willy’s Wonderland, de 2021, dirigido por Kevin Lewis e estrelando Nicolas Cage. O filme é um negócio absurdo e insano, e parecia que seria muito divertido justamente por isso. Ele realmente é absurdo, mas não chega a ser tão massa.

Uma cidadezinha tem uma espécie de parque de diversões amaldiçoado. Os donos do lugar eram assassinos em série, que por meio de um ritual satânico, tiveram suas consciências transferidas para os robôs dos mascotes do parque. Agora exigem sacrifícios para não matar todo mundo da cidade. Então há muitos anos, de vez em quando alguém é levado lá pra “trabalhar“, quando na verdade é só uma oferenda aos bonecos.

O filme começa com Nicolas Cage tendo os pneus do seu carro furados. Não tem grana, então é oferecido pra ele passar uma noite limpando o parque em troca do conserto. Não demora muito pro primeiro robô já atacar e tomar um PAU. O estranho é que não tem nenhum tipo de surpresa, adrenalina, apreensão, medo nem nada. O cara lá faxinando e matando robôs satânicos assassinos… ele age de uma forma bem natural com a situação.

Como que em 30 anos nunca ninguém conseguiu matar nenhum desses robôs? É mais fácil que limpar um fogão! Ah, Nicolas Cage não tem NENHUMA fala durante o filme todo. O personagem de hora em hora para o que estiver fazendo pra ir beber um energético e fazer uma pausa, inclusive quando tá prestes a sair na porrada com um dos monstrengos. Ele nunca expressa nenhum tipo de sentimento. Até que DO NADA tem uma cena aleatória e bizarra dele jogando pinball e dançando.

Tem uns adolescentes no filme, que só estão lá pra morrer da forma mais clichê possível, o que não acrescenta em absolutamente nada no filme além de tempo.

Tecnicamente, o filme abusa dos planos fechados, o que tira muito das cenas em que tem mais ação. Tem muita coisa em câmera lenta também. Enfim, esperava mais do filme em geral. É ok, mas é bem esquecível.